Hábitos versus Metas

Hábitos versus Metas

Um olhar sobre os benefícios de uma abordagem sistemática da vida.

Nada mudará sua trajetória futura como seus hábitos. Todos temos objetivos, grandes ou pequenos, coisas que queremos alcançar dentro de um determinado período de tempo. Algumas pessoas querem ganhar um milhão de dólares quando completam 30 anos. Algumas pessoas querem perder 20 libras antes do verão. Algumas pessoas querem escrever um livro nos próximos seis meses. Quando começamos a perseguir um conceito intangível ou vago (sucesso, riqueza, saúde, felicidade), atingir um objetivo tangível costuma ser o primeiro passo. Hábitos são algoritmos que operam em segundo plano que alimentam nossas vidas. Bons hábitos nos ajudam a alcançar nossos objetivos com mais eficácia e eficiência. Os ruins tornam as coisas mais difíceis ou impedem o sucesso inteiramente.

Os hábitos influenciam poderosamente o nosso comportamento automático.

“Primeiro esqueça a inspiração. O hábito é mais confiável. O hábito sustentará você, inspirado ou não. Hábito é persistência na prática. ” - Octavia Butler

A diferença entre hábitos e objetivos não é semântica. Cada um requer diferentes formas de ação. Por exemplo: Queremos aprender um novo idioma. Poderíamos decidir que queremos ser fluentes em seis meses (meta), ou podemos nos comprometer com 30 minutos de prática por dia (hábito). Queremos ler mais livros. Poderíamos estabelecer a meta de ler 50 livros até o final do ano, ou poderíamos decidir sempre levar um livro conosco (hábito). Queremos passar mais tempo com nossas famílias. Poderíamos planejar passar sete horas por semana com eles (meta) ou optar por jantar com eles todas as noites (hábito).

Os problemas com as metas.

Quando queremos mudar um aspecto de nossas vidas, estabelecer uma meta geralmente é o primeiro passo lógico. Apesar de ser apontado por muitos gurus de auto-ajuda, essa abordagem tem algumas facetas problemáticas. Metas têm um ponto final.

É por isso que muitas pessoas voltam ao estado anterior depois de atingir um determinado objetivo. As pessoas correm maratonas e depois param de se exercitar. Ou eles ganham uma certa quantia de dinheiro e depois se endividam logo em seguida. Outros alcançam um peso objetivo, apenas para estragar seu progresso comendo demais para comemorar. Os objetivos dependem de fatores sobre os quais nem sempre temos controle. É um fato inevitável que nem sempre é possível atingir uma meta, independentemente do esforço. Uma lesão pode inviabilizar uma meta de condicionamento físico. Uma despesa inesperada pode sabotar uma meta financeira. Uma tragédia familiar pode impedir um objetivo de produção criativa. Quando estabelecemos uma meta, estamos tentando transformar o que geralmente é um processo heurístico em um algoritmo.

Os objetivos dependem de força de vontade e autodisciplina.

Como Charles Duhigg escreveu em O poder do hábito: Força de vontade não é apenas uma habilidade. É um músculo, como os músculos de seus braços ou pernas, e fica cansado à medida que trabalha mais, então resta menos energia para outras coisas. Manter um objetivo em mente e usá-lo para direcionar nossas ações requer força de vontade constante. Durante os períodos em que outras partes de nossas vidas esgotam nosso suprimento de força de vontade, pode ser fácil esquecer nossos objetivos. Por exemplo, o objetivo de economizar dinheiro exige autodisciplina cada vez que fazemos uma compra. Enquanto isso, o hábito de colocar £50 em uma conta poupança toda semana exige pouco esforço. Hábitos, não metas, facilitam as coisas difíceis. Metas podem nos tornar complacentes ou imprudentes. Estudos mostraram que o cérebro das pessoas pode confundir o estabelecimento de metas com a conquista. Esse efeito é mais pronunciado quando as pessoas informam os outros sobre seus objetivos. Além disso, objetivos irrealistas podem levar a comportamentos perigosos ou antiéticos.

"Hábito é a interseção de conhecimento (o que fazer), habilidade (como fazer) e desejo (quer fazer)." - Stephen Covey

Os benefícios dos hábitos uma vez formados são:

-Os hábitos operam automaticamente.

-Os hábitos assumem tarefas difíceis, como economizar dinheiro, e as facilitam.

O objetivo de um conjunto de hábitos bem elaborado é garantir que alcancemos nossos objetivos com etapas incrementais.

Os benefícios de uma abordagem sistemática à conquista incluem o seguinte: Hábitos podem significar que ultrapassamos nossos objetivos. Digamos que o objetivo de uma pessoa é escrever um romance. Ele decidem escrever 200 palavras por dia, por isso deve levar 250 dias. Escrever 200 palavras exige pouco esforço e, mesmo nos dias mais movimentados e estressantes, a pessoa faz isso. No entanto, em alguns dias, esse pequeno passo leva à escrita de 1000 ou mais palavras. Como resultado, eles terminam o livro em muito menos tempo. No entanto, definir "escrever um livro em quatro meses" como meta seria intimidador.

Hábitos são fáceis de completar. Disse Duhigg ,

Hábitos são poderosos, mas delicados. Eles podem emergir fora da nossa consciência ou podem ser projetados deliberadamente. Eles geralmente ocorrem sem a nossa permissão, mas podem ser remodelados brincando com suas partes. Eles moldam nossas vidas muito mais do que imaginamos - eles são tão fortes, de fato, que fazem com que nossos cérebros se apegem a eles, excluindo tudo o mais, inclusive o senso comum.

Uma vez que desenvolvemos um hábito, nossos cérebros mudam para facilitar o comportamento. Após cerca de 30 dias de prática, adotar um hábito se torna mais fácil do que não fazê-lo

Hábitos são para a vida.

Nossas vidas são estruturadas em torno de hábitos, muitos deles quase imperceptíveis. Segundo a pesquisa de Duhigg, os hábitos representam 40% de nossas horas de vigília. Essas ações muitas vezes minúsculas se somam para nos tornar quem somos. William James (um homem que conhecia os problemas causados por maus hábitos) resumiu sua importância como tal:


Toda a nossa vida, na medida em que tem forma definida, é apenas uma massa de hábitos - práticos, emocionais e intelectuais - sistematicamente organizados para o nosso bem-estar ou aflição, e levando-nos irresistivelmente ao nosso destino, qualquer que seja o último.

Uma vez enraizado no hábito, ele pode durar a vida toda (a menos que seja quebrado por algum motivo). Hábitos podem se agravar. Stephen Covey parafraseou Gandhi quando explicou: Semeie um pensamento, colha uma ação; semear uma ação, colher um hábito; Semear um hábito, colher um caráter; semeie um personagem, colha um destino. Em outras palavras, construir um único hábito pode ter um impacto mais amplo em nossas vidas. Duhigg chama esses hábitos fundamentais.

Estes são comportamentos que levam as pessoas a mudarem áreas relacionadas de suas vidas. Por exemplo, pessoas que começam a se exercitar diariamente podem acabar comendo melhor e bebendo menos. Da mesma forma, aqueles que abandonam um mau hábito podem acabar substituindo-o por uma alternativa positiva. (Naval e eu conversamos bastante sobre substituição de hábitos neste episódio de podcast.)

Os hábitos podem ser tão pequenos quanto necessário. Um conselho comum para quem procura construir um hábito é começar pequeno. O psicólogo de Stanford, BJ Fogg, recomenda "pequenos hábitos", como usar fio dental em um dente. Uma vez enraizados, o grau de complexidade pode ser aumentado. Se você quiser ler mais, pode começar com 25 páginas por dia.

Depois que isso fizer parte da sua rotina, você poderá aumentar a contagem de páginas para alcançar sua meta. "Primeiro criamos nossos hábitos, depois nossos hábitos nos tornam". - Charles C. Nobel Por que uma abordagem sistemática funciona Ao mudar nosso foco, de atingir objetivos específicos e criar hábitos positivos a longo prazo, podemos tornar a melhoria contínua um modo de vida. Isso é evidente nos hábitos documentados de muitas pessoas de sucesso.

Warren Buffett lê o dia todo para desenvolver o conhecimento necessário para seus investimentos. Etephen King escreve 1000 palavras por dia, 365 dias por ano (um hábito que ele descreve como "uma espécie de sono criativo"). O atleta Eliud Kipchoge faz anotações após cada sessão de treinamento para estabelecer áreas que podem ser melhoradas. Esses hábitos, repetidos centenas de vezes ao longo dos anos, não são incidentais.

Com consistência, os benefícios dessas ações não negociáveis são compostos e levam a conquistas extraordinárias. Enquanto os objetivos dependem de motivação extrínseca, os hábitos são automáticos. Eles literalmente religam nossos cérebros. Ao procurar alcançar algo em nossas vidas, faríamos bem em investir nosso tempo na formação de hábitos positivos, em vez de nos concentrarmos em um objetivo específico.

Fonte : https://fs.blog/2017/06/habits-vs-goals/