Leandro Karnal: A Não Aceitação das Diferenças Faz do Mundo um Lugar Horrível

Leandro Karnal: A Não Aceitação das Diferenças Faz do Mundo um Lugar Horrível

Nem todo preconceito gera uma discriminação. Mas toda discriminação parte de um preconceito. É necessário que estudemos os nossos preconceitos a fim de que eles não se transformem em discriminação. Pois tudo o que o inferno significa está contido na palavra “discriminação”, porque dela fluem a xenofobia, a homofobia e todas as outras palavras usadas para conceituar o comportamento do indivíduo que não aceita as diferenças. Não aceita ao ponto de odiar aqueles a quem ele julga “diferentes”.

Do Portal Raízes

A discriminação, quando não autocriticada, pode desencadear fobias. Segundo o pesquisador Paul Errara, a palavra fobia é derivada da palavra grega para terror ou estrangulamento. Phobos era um deus grego que causava pânico e medo entre os inimigos daqueles que o adoravam.

Meses atrás assistimos à notícia de um massacre numa boate gay em Orlando. O atirador homofóbico matou 50 pessoas e 53 ficaram feridas. Se ainda não sabemos lidar com as diferenças integrais, como saberemos lidar a ‘polissexualidade’?

O professor Leandro Karnal faz uma relevante proposta de reflexão acerca do assunto. Fizemos a transcrição de um trecho de sua palestra: Tolerância ativa

“Existe uma proposta de um professor chamado Francis Wolff, num livro chamado Civilização e Barbárie, em que ele faz a seguinte pergunta: ‘Quem é o bárbaro atual?’. O livro, organizado pelo professor Adauto Novaes, num dos primeiros artigos pergunta ‘Quem é o bárbaro?’. A tendência grega tradicional era dizer: ‘Quem é bárbaro é quem não fala grego, quem está fora da minha cultura. O latino. É bárbaro quem está fora da cultura romana’.  Para o chinês é bárbaro todo mundo que não seja chinês. Bem, o bárbaro era visto como não civilizado. A proposta deste texto é pensar que a barbárie floresceu, por exemplo, no exemplo citado do nazismo, no país mais culto da Europa que era a Alemanha. No país que lia Kant em alemão. Tenta imaginar o que é isso: ler Kant em alemão. O país que lia Kant em alemão, produzido Bach e Beethoven. Bom, o país que produziu tanta cultura formal incendiou uma das crenças mais bárbaras do século 20 e um modelo de barbárie. O que proponho de novo neste texto?

É bárbaro todo aquele que propõe, na sua teoria, a exclusão do outro.  É civilizado, seja um índio ianomâmi, ou um alemão, todo aquele que propõe a aceitação da existência do outro. Então ele foge ao termo Civilização e Barbárie tradicional, oferece uma saída para esse caminho e vai nos dizer exatamente isso. Acho que o fundamentalista que prega a eliminação do outro deve ser tratado como racista, ou seja, como uma patologia ‘educar’, e, segundo caso: não sendo possível a educação, deve ser encarcerado. Por quê? Porque não é possível conviver com pessoas que querem lhe excluir da humanidade. Não é possível.

A não aceitação das diferenças é problema tanto patológico como baixa inteligência e falta de caráter. Ou uma combinação das três coisas. O fundamentalismo não precisa ser ‘falta de caráter’. Eu ainda acho que se pode educar para a Tolerância Ativa, princípio que eu defendi quando elaborei os cinco volumes para o ensino religioso em São Paulo, que é o ensino leigo, não baseado em religião. Nós propusemos nesses volumes a chamada ‘tolerância ativa’. O que é tolerância ativa? Não é que eu tolero que você seja presbiteriano e eu seja católico... Não é essa a questão, que eu ‘tolero’. Eu acho fundamental que exista essa diversidade. E não existiria mundo e o mundo seria um lugar terrível se você não fosse presbiteriano e eu católico. Isso é tolerância ativa. Não é que eu diga assim: ‘Até que eu tolero um gay, desde que não chegue perto’. É fundamental que existam gays. É fundamental haver pessoas de diversas etnias, é fundamental que existam diversas opiniões, inclusive contrárias à minha.”