Diga NÃO a violência psicológica, sexual e financeira

Diga NÃO a violência psicológica, sexual e financeira

 

Começamos hoje uma campanha voltada para todos e qualquer tipo de  violência contra a mulher . Uma série de matérias com  informações e apoio a todas as mulheres que em muitas vezes nem imaginam que determinada atitude do parceiro é um tipo de violência. 

A violência domestica é considerada como qualquer ato sexista que tenha ou possa resultar em danos físicos, sexuais, psicológicos, emocionais, trabalhistas, econômicos ou de propriedade ou sofrimento; coerção ou privação arbitrária de liberdade, bem como a ameaça de tais atos, sejam eles públicos ou privados.

Isso indica que não é apenas o abuso físico ou verbal a que uma mulher está sujeita, por ser mulher. Trata-se de outras formas de violência, muito mais escondidas do que algumas delas chamaram de "microviolência" que se perpetuam muitas vezes em espaços mais privados e dos quais pouco é falado.

Ou, pelo contrário, são comportamentos que geram violência na sociedade que se tornaram recorrentes e tacitamente se tornaram comportamentos sociais aceitos, que são considerados "naturais".

Uma das etapas fundamentais para acabar com este estigma é o reconhecimento público das diferentes formas de expressar a violência de gênero. Para este propósito, descrevemos os doze tipos mais comuns de violência contra a mulher:

1. Violência psicológica:

O abuso psicológico é uma forma de abuso mais sutil e difícil de perceber, mas não menos traumática para as mulheres que a sofrem. É todo um comportamento ativo ou omissivo exercido em desonra, desacreditar ou desprezar a dignidade pessoal, tratamento humilhante e vexatórios, vigilância constante, isolamento, marginalização, negligência, abandono, excessivo ciúmes, proibições, comparações destrutivas, ameaças e atos que fazem as mulheres vítimas diminuir a auto-estima, prejudicar ou perturbar o seu desenvolvimento saudável levando a depressão e até ao suicídio.

2. A violência sexual: 

É uma conduta que ameaça violar o direito das mulheres a decidir voluntariamente e livremente a sua sexualidade, incluindo não apenas no ato sexual, mas todas as formas de contato, acesso sexual, genital ou não genital, como atos de violência lascívia e violento acesso carnal ou a violações propriamente dita. O uso da força, a intimidação dentro do mesmo casamento, e de outras relações vinculantes como a de parentesco, a prostituição forçada, a exploração, a escravidão, o assédio, o abuso sexual e o tráfico de mulheres.

3. Violência econômica e financeira:

A violência patrimonial e econômica é considerada qualquer conduta ativa ou omissiva que, direta ou indiretamente, nas esferas pública e privada, que visa prejudicar bens móveis ou imóveis ao patrimônio das mulheres ou da propriedade em comum. Também tem como objetivo causar prejuízo nos recursos econômicos ou patrimoniais da mulher, através da perturbação da apropriação de sua propriedade e bens, perda, subtração, destruição, retenção ou indevida de objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, ativos, valores e direitos econômicos. Inclui qualquer ato que gere limitações econômicas destinadas a controlar sua renda ou a privação dos meios econômicos essenciais para viver. 

 

Por : Magda Lizbir Gomes 

Fontes pesquisadas: Organização Mundial de Saúde. 

Eleonore Pourriat, no curta-metragem Majoritée oprimée. Eleonore Pourriat (França, 2014, 10 minutos):