Chapéu, muito mais que um acessório.

Matéria:   Fashion Meeting with Marília Maciel

Pauta: Chapéu / Entrevista com Graciella Starling


Chapéu, muito mais que um acessório!


O nome chapéu deriva da palavra “cappa”, do latim antigo, que significa peça usada para cobrir a cabeça.

Foi por meio da nobreza e sua necessidade de mostrar seu status social que surgiu o chapéu como adorno e símbolo de riqueza.  O tamanho da copa do chapéu dizia da importância do gentleman.

Existe uma infinidade de modelos, tamanhos da copa e da aba. Especialistas costumam dizer que o chapéu é mais que um acessório, é uma experiência.

Para entender melhor sobre esse acessório tão antigo e nobre, entrevistamos a designer da alta chapelaria Graciella Starling.


AC - Quando você decidiu trabalhar com chapelaria?

GS - Desde criança eu já gostava de combinar a roupa com o chapéu. Nasci no interior de Minas Gerais e lá minha mãe encomendava sob medida os vestidos e os chapéus.

Na adolescência mudei para São Paulo, onde estudei e trabalhei como publicitária em grandes empresas da área, mas em paralelo sempre desenvolvia acessórios para venda no próprio trabalho e para pessoas conhecidas.

Minha primeira marca de acessórios se chamava “Minina de Minas”, produzia brincos, colares, turbantes e acessórios criativos. Deixei meu trabalho para investir na minha marca. Devido à grande procura por acessórios para noiva, comecei a investir no segmento e frequentar ambientes mais sofisticados, e foi aí que conheci a chapelaria.

AC - Como combinar o chapéu com o look?

GS - O chapéu é dividido pelo menos em duas categorias, o social e o casual. Quando você vai usar um chapéu social, você tem que se preocupar com o dress code do evento; por exemplo, se for um casamento da realeza, o chapéu tem que combinar com a cor da roupa, o mesmo tom ou o mesmo elemento; isso mostra distinção. Se o casamento é de pessoas normais, basta o chapéu combinar com o acessório, no caso, a bolsa ou o sapato. Se você vai a Ascot você também pode combinar com o acessório.

No caso do chapéu casual, existe uma liberdade muito maior, então não é preciso a preocupação em combinar.  O chapéu é um acessório versátil que pode estar dentro tanto do seu dia a dia quanto de eventos mais formais.

AC - Quais são os tipos de chapéus?

GS - Com a evolução do chapéu veio o mix do estilo masculino com o feminino, então há chapéus como o famoso masculino Canutiê dos anos 20, o qual consagrou Chanel, de aba reta, copa reta e que hoje pode ser visto, dependendo do material, tanto no social como no casual. O Facinator, que é quando o chapéu pós-guerra perdeu a aba, ficaram somente o arranjo e a copa.  Hoje em dia existe uma infinidade de modelos de chapéus para todos os tipos de gostos e rostos.

AC - Como escolher o chapéu ideal?

GS - A primeira coisa que levo em consideração na hora de escolher um chapéu é a personalidade do cliente, depois o tamanho da aba é medido pelo tamanho do ombro da pessoa. Normalmente as pessoas mais baixas não ficam bem com chapéus de aba larga, isso pode achatar.  Outra dica é o estilo de crânio para medir a altura da copa, na verdade você vai harmonizar o seu rosto com a altura da copa. Essas medições são feitas por meio do visagismo, e aí é que definimos a altura perfeita da copa para cada pessoa. O tom da sua pele também determina o tom do seu chapéu.  Essa é a delicadeza do chapéu sob medida.

Dica: antes de mandar fazer um chapéu sob medida, compre um já pronto e tente se acostumar a usá-lo

 

Artigo: Marília Maciel  

Modelo : Paula Souza  

Photo: Heber Barros  

Makeup: Roseane Shekinah 

Chapéu: Graciela Starling  

Jóias : Tons de Lí