Diga Não a violência trabalhista, violência obstétrica e violência na mídia

Diga Não a violência trabalhista, violência  obstétrica e violência na mídia

Continuando nossa série de matérias sobre a campanha de Violência contra a Mulher, vamos citar 3 casos de violênciasos quais  a maioria das mulheres não se dão conta de que são violências. 

 

 Violência trabalhista:

É discriminação contra as mulheres nos locais de trabalho públicos ou privados que impedem o acesso ao emprego, à promoção ou à estabilidade no local de trabalho, tais como requisitos sobre o estado civil, maternidade, idade, aparência física ou boa presença, ou o pedido de resultados de testes laboratoriais clínicos, que dependem da contratação, promoção ou permanência das mulheres no emprego. É também a discriminação de gênero no local de trabalho a que viola o direito à igualdade de remuneração pelo trabalho igual aos demais. Também inclui assédio psicológico de forma sistemática sobre uma determinada trabalhadora, a fim de conseguir que ela saia do trabalho.

 

 Violência obstétrica:

A violência obstétrica é entendida como a apropriação do corpo e os processos reprodutivos das mulheres pelo pessoal de saúde, que é expresso em um tratamento desumanizante, abuso de medicalização e patologização de processos naturais, resultando em perda de autonomia e habilidade para decidir livremente em seus corpos e sexualidade, impactando negativamente sobre a qualidade de vida das mulheres. Cerceamento do direito de ir e vir sozinha ao seu ginecologista/obstetra. Imposição na forma de parir, corte vaginal sem autorização prévia e impedimento de expressar as dores do parto por partes dos funcionários e médicos na forma de humilhação e critica. Como também esterilização forçada, entre outros.

 

Violência na mídia: 

A publicação ou disseminação de mensagens e imagens estereotipadas através de meios de comunicação de massa, promovendo direta ou indiretamente a exploração das mulheres ou suas imagens, insultando, difamando, discriminando, desonrando, humilhando ou violando a dignidade das mulheres , bem como o uso de mulheres, adolescentes e meninas em mensagens e imagens pornográficas, legitimando a desigualdade de tratamento ou criando padrões socioculturais que reproduzem desigualdades ou geradores de violência contra as mulheres.

Por : Magda LizbirGomes

Fontes pesquisadas: Organização Mundial de Saúde.